sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

ANSIEDADE - COMO EVITAR?


Os sintomas de ansiedade podem se manifestar no corpo, como a sensação de aperto no peito e tremores ou no emocional como a presença de pensamentos negativos, preocupação ou medo, por exemplo e, geralmente, surgem vários sintomas ao mesmo tempo.

Estamos a todo momento buscando estabilidade, conforto e segurança. Então, é inviável não nos depararmos com a ansiedade, que é o sentimento ou a sensação causada pela excessiva excitação do Sistema Nervoso Central. Cria a dúvida, medo, aflição e expectativa de que algo positivo ou negativo aconteça. Como administrá-la? Quando procurar ajuda profissional?

A ansiedade estimula ações, porém em excesso, causa exatamente o contrário. Percebo que o nível das pessoas referente à tolerância dos sintomas ansiosos estão cada vez menores, pois o medo e desconforto é assustador. Encontramos muitas pessoas frustradas por tentarem e não conseguirem controlar a ansiedade.

Ansiedade não se controla, se sente. A ansiedade é uma “manifestação” do nosso corpo. 
Se faz necessário entender o motivo pelo qual ela se faz presente. Busque sempre entender o motivo ao invés de tentar controlar os sintomas.

Agora, se os sintomas estão impedindo você de realizar atividades rotineiras, é hora de buscar ajuda profissional. Pois, a ansiedade pode aparecer de diversas formas, como: Transtorno de Ansiedade Generalizada, Fobia específica, Fobia Social, Estresse Pós Traumático, Transtorno Obsessivo Compulsivo, Síndrome do Pânico, Transtorno Dismórfico Corporal, Vigorexia…


Sintomas físicos
  • ·         Enjoo e vômitos;
  • ·         Tontura ou sensação de desmaio;
  • ·         Falta de ar ou respiração ofegante;
  • ·         Dor ou aperto no peito;
  • ·         Dor de barriga ou mesmo diarreia;
  • ·         Roer as unhas
  • ·         Dor de cabeça;
  • ·         Formigamento;
  • ·         Tremor;
  • ·         Palpitação do coração;
  • ·         Tensão muscular, principalmente dor nas costas;
  • ·         Balançar as pernas e os braços;
  • ·         Falar muito rápido;
  • ·         Dificuldade em dormir, dormindo poucas horas e dificuldade para adormecer.

Sintomas emocionais
  • ·         Agitação, balançando os pernas e os braços;
  • ·         Nervosismo;
  • ·         Inquietação;
  • ·         Irritabilidade;
  • ·         Perda da concentração;
  • ·         Dificuldade de concentração e para relaxar;
  • ·         Preocupação;
  • ·         Sensação de que algo ruim vai acontecer - Medo;
  • ·         Descontrole sobre os próprios pensamentos;
  • ·         Preocupação exagerada em relação à realidade.

Precisamos aprender a conviver com a ansiedade, ela faz parte. Não existem pessoas que não são ansiosas. É necessário discernimento para diferenciar a ansiedade normal da patológica. Siga as dicas a seguir e garanta qualidade de vida nos momentos de ansiedade.

A ansiedade é uma ameaça de que algo positivo ou negativo aconteça. Quanto maior a expectativa, maior será a ansiedade. Busque não se apavorar, reprimir ou controlar os sintomas. A ansiedade é “produzida” através de você. Não tenha medo! Não foque no sintoma e sim busque conversar consigo e entender o contexto e o motivo da ansiedade.

Pratique a respiração diafragmática, escute música clássica, instrumental, desfoque dos sintomas e entenda o motivo pelo qual seu corpo está manifestando tais sintomas.

Caso os sintomas de ansiedade estejam persistentes e impedindo de realizar determinadas tarefas, busque ajuda profissional, pois provavelmente se trata de ansiedade patológica.

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões - Psicóloga Clínica (11) 97273-3448

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Como saber se estou dependente da internet?


1- Você fica mais tempo na Internet do que com pessoas “reais”? 
Se você costuma gastar suas horas com atividades online mais do que com pessoas da sua família, amigos ou de outro tipo de relacionamento, realmente você precisa ficar atento, pois este é um dos primeiros sintomas do problema. 

2- Você não consegue manter seu próprio controle na net? 
Caso você se conecte na Internet apenas para “dar uma olhada” e acaba ficando bem mais do que o planejado, cuidado! Este pode ser um claro sinal de dependência. 

3- Você acha que “sem a Internet não dá para ficar”? 
Se por qualquer razão você não pode estar online durante algumas horas/períodos e percebe-se ansioso ou com tédio ou irritado e, quando volta a conectar-se fica bem de novo. Este é um péssimo sinal! 

4- Você se percebe incapaz de diminuir o tempo online, mas, pelo contrário, só aumenta? 
Caso você já tenha feito tentativas frustradas para diminuir o tempo de uso e vem notando que a cada dia que passa, você permanece mais tempo conectado na net para ter a mesma satisfação. Muito cuidado, este é um forte sinal de dependência! 

5- Você tem mentido ou disfarçado para os outros sobre o tempo que você fica conectado? 
Desde que começou a ficar mais tempo online, se você tem tentado enganar ou mentir para seus familiares ou pessoas mais próximas a respeito da relação que você estabelece com o tempo na Internet. Isto é um gritante aviso! 

6- Você sente que sem a Internet a vida não teria graça? 
Se não consegue mais sentir o mesmo prazer que antes nas atividades off-line ou sente-se melhor na vida virtual do que em qualquer outra situação real. Ou ainda, tem notado que de um tempo para cá, desde que começou a usar com maior frequência a Internet, vem sentindo-se irritado ou deprimido. Cuidado! 

7- Mesmo sem estar na frente do computador, preocupa-se com o que está acontecendo no mundo virtual? 
Quando você está envolvido em outras tarefas cotidianas e não pode estar online (nossa, que ansiedade!), chega em casa e corre para ligar seu computador (ou dá um jeito mesmo fora de casa) para ficar “inteirado” dos acontecimentos virtuais. Estas atitudes podem indicar dependência de Internet. Você precisa de ajuda!

Faça o teste! Se necessário, busque ajuda profissional.



Fonte: Dependência de Internet

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica - (11) 97273-3448

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

STRESS

Reação do organismo com componentes psicológicos, físicos, mentais e hormonais.


Bom – ânimo, criatividade, vigor e energia.
Ruim – esgotamento, excesso.

Causas: Morte na família, brigas em casa, separação, mudanças em geral, atividades em excesso, viagens longas, doenças, hospitalização, diarreia, tique nervoso, tremor nas pálpebras, dor de cabeça, náusea, tensão muscular, bruxismo, falta de apetite, mãos frias e suadas, impaciência, pesadelos, ansiedade, insegurança, hipersensibilidade.

Fases do Stress:
•ALERTA: luta e defesa
•RESISTÊNCIA: desgaste – futura patologia
•QUASE-EXAUSTÃO E EXAUSTÃO: mau funcionamento do organismo, aparecimento de doenças.

Sintomas de Stress em Crianças:

Sintomas Psicológicos 
Terror noturno, Introversão súbita, Pesadelos, Medo excessivo, Agressividade ou impaciência, Ansiedade, Choro excessivo, Dificuldades interpessoais, Desobediência, Depressão, Desânimo e Hipersensibilidade.

Sintomas Físicos
Diarreia, Tensão muscular, Gagueira, Dor de barriga, Ranger os dentes, Dor de cabeça, Tique nervoso, Náuseas, Insegurança, Hiperatividade e Enurese noturna.

Abaixo, segue o link para vocês fazerem o teste do stress.

http://www.estresse.com.br/auto_avaliacao-online/avaliacao-de-stress-em-adultos/

Fonte: Marilda Lipp

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica
(11) 97273-3448

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Adolescência - O que é?

É uma etapa intermediária do desenvolvimento humano, entre a infância e a fase adulta. Este período é marcado por diversas transformações corporais, hormonais e até mesmo comportamentais. Não se pode definir com exatidão o início e fim da adolescência (ela varia de pessoa para pessoa), porém, na maioria dos indivíduos, ela ocorre entre os 10 e 20 anos de idade (período definido pela OMS – Organização Mundial da Saúde).

Adolescência e puberdade

Muitas pessoas confundem adolescência com puberdade. A puberdade é a fase inicial da adolescência, caracterizada pelas transformações físicas e biológicas no corpo dos meninos e meninas. É durante a puberdade (entre 10 e 13 anos entre as meninas e 12 e 14 entre os meninos) que ocorre o desenvolvimento dos órgãos sexuais. Estes ficam preparados para a reprodução. 

Durante a puberdade, os meninos passam pelas seguintes mudanças corporais e biológicas: aparecimento de pelos pubianos, crescimento do pênis e testículos, engrossamento da voz, crescimento corporal, surgimento do pomo-de-adão e primeira ejaculação.

Entre as meninas, as mudanças mais importantes são: começo da menstruação (a primeira é chamada de menarca), desenvolvimento das glândulas mamárias, aparecimento de pelos na região pubiana e axilas e crescimento da região da bacia.

Hormônios e comportamento

Durante a adolescência ocorrem significativas mudanças hormonais no corpo. Além de favorecer o aparecimento de acnes, estes hormônios acabam influenciando diretamente no comportamento dos adolescentes. Nesta fase, os adolescentes podem variar muito e rapidamente em relação ao humor e comportamento. Agressividade, tristeza, felicidade, agitação, preguiça são comuns entre muitos adolescentes neste período.

Por se tratar de uma fase difícil para os adolescentes, é importante que haja compreensão por parte de pais, professores e outros adultos. O acompanhamento e o diálogo neste período são fundamentais. Em casos de mudanças severas (comportamentais ou biológicas) é importante o acompanhamento de um médico e psicólogo.

Socialização
Uma marca comum da maioria dos adolescentes é a necessidade de fazer parte de um grupo. As amizades são importantes e dão aos adolescentes a sensação de fazer parte de um grupo de interesses comuns.

Gravidez na adolescência

No Brasil atual, a gravidez precoce tem se transformado num grande problema de saúde pública. Com poucas informações e uma vida sexual ativa cada vez mais precoce, muitas adolescentes estão engravidando numa época da vida em que se encontram despreparadas para assumir as responsabilidades de mãe. Ao se tornarem mães, estas adolescentes acabam deixando de lado uma importante fase de desenvolvimento (algumas até mesmo abandonam os estudos). Mais preocupante são aquelas que buscam o aborto, tirando a vida de um ser e colocando em risco suas próprias vidas. 


Fonte: Sua Pesquisa

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448

sábado, 24 de setembro de 2016

Acupuntura Auricular e Reiki para Stress Infantil

Atualmente os pais e avós trabalham, as crianças passam mais tempo em escolas, cursos extracurriculares, atividades desgastantes físicas e mentais.

O stress infantil não aborda somente o cansaço físico, mas também e principalmente o cansaço mental.

Com a Medicina Tradicional Chinesa (MTC) técnica de acupuntura auricular, pode-se tratar a criança por inteiro, não somente as comorbidades, um único problema ou seus sintomas, mas todos os aspectos físicos, psíquicos e emocionais.

Cada tratamento é individualizado para cada paciente. A noção fundamental que dá razão a essa postura é a de que cada pessoa é afetada de uma maneira diferente.A técnica é totalmente segura e traz muitos benefícios a saúde como um todo. Totalmente indolor, sem a necessidade de ser utilizada agulha.

A Acupuntura Auricular ou Auriculoterapia, possui vários recursos de estimulação dos pontos de ação terapêutica na região do pavilhão auricular, como microesferas de silício; magnetos auriculares; sementes de mostarda; cristais radiônicos; agulhas sistêmicas; do-in auricular; laserpuntura auricular; cromopuntura, etc.

A palavra Reiki é composta de duas palavras japonesas: “Rei”, que significa “universal” e “Ki”, ​​que significa “energia vital”.

O método do Reiki consiste na imposição das mãos para transmitir a energia vital universal e, assim, curar e equilibrar as energias sutis dentro de nosso corpo. O Reiki trata desequilíbrios físicos, emocionais, mentais e espirituais. Esta arte de cura é um sistema de entrega eficiente.

O Reiki é muito utilizado por pessoas que buscam o relaxamento e o fortalecimento do seu bem-estar. Mas, através da energia vital universal, é possível fazer mais: reduzir as dores, a ansiedade, a fadiga, ou ajudar a controlar e reduzir sintomas de doenças. Acredita-se que a prática do Reiki em longo prazo pode restaurar todo o organismo humano. Assim, é possível abrir todos os canais de energia e isso vai permitir que o corpo lide de forma adequada com o estresse, a ansiedade e a depressão.

Benefícios do Tratamento:
– Produz uma sensação de relaxamento profundo, ajudando o organismo a liberar o estresse e as tensões;
– Acelera as habilidades de autocura do corpo humano;
– Melhora a qualidade do sono;
– Reduz a pressão arterial;
– Diminui os efeitos colaterais de medicamentos;
– Remove os bloqueios de energia, ajusta o fluxo de energia do sistema endócrino, e traz ao corpo o equilíbrio e a harmonia;
– Auxilia o organismo na limpeza de toxinas nele contidas;
– Aumenta a vitalidade.

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448


sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Ansiedade Generalizada


Ansiedade generalizada, caracteriza-se pela presença de sintomas ansiosos excessivos, na maior parte dos dias, por pelo menos seis meses. A pessoa vive angustiada, tensa, nervosa, preocupada ou irritada. Nesses quadros, são frequentes sintomas como insônia, dificuldade em relaxar, angústia constante, irritabilidade aumentada e dificuldade em concentrar-se. São também comuns sintomas físicos como cefaleia, dores musculares, dores ou queimação no estômago, taquicardia, tontura, formigamento e sudorese fria. Alguns termos populares para estes estados são: “gastura”, “repuxamento dos nervos”, “cabeça ruim” (agonia). Para se fazer o diagnóstico de uma ansiedade generalizada, é necessário observar se os sintomas causam sofrimento e prejuízo a vida social e ocupacional do indivíduo. É necessário e importante que consulte um profissional psicólogo, para que seu diagnóstico seja feito corretamente. Pois podem estar associados outros sintomas na crise.


Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

O que é Psicopatologia?

A psicopatologia pode ser definida como o conjunto de conhecimentos referentes ao adoecimento mental do ser humano. São vivências, estados mentais e padrões comportamentais.

Está ligada a diversas vertentes, porém é foco de muitos estudos nas disciplinas de psicologia, psiquiatria e corpo teórico psicanalítico. Pode ser caracterizada como o estudo descritivos dos fenômenos psíquicos “anormais’, estudando gestos, comportamentos, expressões e relatos autodescritivos do enfermo. A palavra Psicopatologia é composta por três palavras gregas: psique  - alma ou mente; pathos – paixão, sofrimento ou doença; logo - lógica ou o conhecimento.

Essa junção de palavras resulta então na significação de que o paciente, passivo, acometido pela paixão (paixão aqui significando dependência do outro) adoece de uma causa que ele mesmo desconhece e que faz com que reaja na maioria das vezes de forma imprevista. Psicopatologia então pode ser definida como a disciplina que estuda o sofrimento da mente, ou seja, o estudo a respeito de doenças psíquicas.

Essa área do conhecimento, busca estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental do indivíduo.

A psicopatologia enquanto estudo dos transtornos mentais é referida como psicopatologia geral. É uma visão descritiva dos comportamentos que se desviam do que é o meio-termo, a média, isto é, do que é esperado pela racionalidade. O estudo das patologias mentais, pode estar vinculado a uma teoria psicológica específica, por exemplo psicologia humanista, uma área da psicologia (psicologia do desenvolvimento mental) ou mesmo a outras áreas do conhecimento (neurologia, genética, evolução). Pode-se dizer que a psicopatologia pode ser compreendida por vários vieses, e estes, combinados, dão determinada leitura acerca do sofrimento mental. Essa diversidade de compreensões, ao mesmo tempo em que mostra a complexidade da área, pode causar certa confusão; assim, é fundamental que o interessado no estudo da psicopatologia esteja ciente de que existem várias teorias e abordagens na compreensão dos transtornos mentais e de comportamento.

Enquanto estudo e pesquisa do que é constitutivo do sujeito, do que é universal e não desviante, é enfocado pela psicopatologia fundamental. A psicanálise se aproxima desse enfoque ao propor a hipótese do inconsciente enquanto processo psíquico constitutivo que permite explicar a formação de sintomas, sonhos, atos falhos, sintomas.

A psicopatologia considera que os transtornos mentais orgânicos são aqueles que têm causas físicas evidentes, como acontece com a doença de Alzheimer, ao passo que os transtornos mentais funcionais são os padrões comportamentais anormais sem claros indícios de alterações orgânicas cerebrais.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Psicopatologia

Postado por: Ana Cláudia Foelkel Simões
Psicóloga Clínica e Terapeuta
(11) 97273-3448